EIS QUE OS FILHOS SÃO HERANÇA DO SENHOR

Eis que os filhos são herança do Senhor, e o fruto do ventre o seu galardão.
Como flechas na mão de um homem poderoso, assim são os filhos da mocidade.

Bem-aventurado o homem que enche deles a sua aljava; não serão confundidos, mas falarão com os seus inimigos à porta.” Salmos 127:3-5

De acordo com o Antigo Testamento, as crianças são um dom precioso de Deus. Dar à luz crianças foi uma ordem de criação sob a bênção especial de Deus. (Gênesis 1:28) As mulheres de muitas crianças foram chamadas abençoadas (Gênesis 34: 6), enquanto a falta de filhos era considerada uma maldição. Este desejo de ter filhos veio da sua crença de ter sido Escolhido e chamado por Deus para um propósito especial. Como filhos da Aliança, eles foram obrigados a continuar sua presença na terra. Sua alegria e amor pelas crianças era um reflexo do amor de Deus por elas. No entanto, os judeus Não idealizaram as crianças.

PALAVRA HEBRAICA PARA CRIANÇA

A ternura do vínculo que uniu os pais judeus a seus filhos encontra-se nas muitas palavras hebraicas para ‘Criança’. Há onze palavras diferentes que designam vários estágios de crescimento físico:
Zehrah: semente; Praticante de justiça (Isaías 44: 3)
Bakar: primogênito (Jeremias 4:31)
Yanek: amamentação (Isaías 11: 8)
Gamul: criança desmamada (Isaías 28: 9)
Taph: criança agarrada à sua mãe (Ester 3:13)
‘Owlel: criança; Menino (Salmo 8: 2)
Elem: criança tornando-se firme (Isaías 7:14)
Naar: juventude; Servo (I Samuel 16:18, Provérbios 1: 4; 7: 7; 20:11)
Yathowm: criança órfã (Salmo 10:14; 82: 3; 146: 9)
Yeled: filho, jovem (Isaías 9: 6)
Bachur: o amadurecido; Um jovem guerreiro (Isaías 31: 9)

A CASA HEBRAICA FOI O CENTRO DE EDUCAÇÃO

“Educa a criança no caminho em que deve andar; e até quando envelhecer não se desviará dele.” Provérbios 22:6

A palavra “trem” em hebraico-hanakh em Provérbios 22: 6 significa iniciar; disciplina; dedicar; treinar-se. O hebraico cognato hekh significa palato ou a boca órgão vital para a fala. Esta palavra hebraica é uma imagem da palavra de uma parteira que, imediatamente após o nascimento, leva seus dois dedos e limpa o muco da boca do recém-nascido para iniciar a respiração de oxigênio por conta própria, ou que “inicia um ambiente para a vida.” Este era o conceito judeu de “treinar uma criança ou “para educar uma criança.” A sabedoria, personificada (Provérbios 8: 7), recomenda-se à humanidade dizendo “todas as palavras da minha boca (hêk) são justiça. ”

“Ponde, pois, estas minhas palavras no vosso coração e na vossa alma, e atai-as por sinal na vossa mão, para que estejam por frontais entre os vossos olhos.
E ensinai-as a vossos filhos, falando delas assentado em tua casa, e andando pelo caminho, e deitando-te, e levantando-te; E escreve-as nos umbrais de tua casa, e nas tuas portas; Para que se multipliquem os vossos dias e os dias de vossos filhos na terra que o Senhor jurou a vossos pais dar-lhes, como os dias dos céus sobre a terra.” Deuteronômio 11:18-21

“Filho meu, ouve a instrução de teu pai, e não deixes o ensinamento de tua mãe,”Provérbios 1:8

“Filho meu, guarda o mandamento de teu pai, e não deixes a lei da tua mãe;”Provérbios 6:20

“Então Manoá orou ao Senhor, e disse: Ah! Senhor meu, rogo-te que o homem de Deus, que enviaste, ainda venha para nós outra vez e nos ensine o que devemos fazer ao menino que há de nascer. E Deus ouviu a voz de Manoá; e o anjo de Deus veio outra vez à mulher, e ela estava no campo, porém não estava com ela seu marido Manoá.

Apressou-se, pois, a mulher, e correu, e noticiou-o a seu marido, e disse-lhe: Eis que aquele homem que veio a mim o outro dia me apareceu.
Então Manoá levantou-se, e seguiu a sua mulher, e foi àquele homem, e disse-lhe: És tu aquele homem que falou a esta mulher? E disse: Eu sou.

Então disse Manoá: Cumpram-se as tuas palavras; mas qual será o modo de viver e o serviço do menino?” Juízes 13:8-12

 

Ambos os pais compartilhavam a responsabilidade de educar seus filhos. A maioria das casas judaicas tinha porções das Escrituras Escritas em pequenos rolos de pergaminho. Muitos estudiosos bíblicos acreditam que Maria e José tinham uma cópia total do precioso volume sagrado. Edersheim (Messias, p.162) observa que as palavras do Senhor, conforme registradas por Mateus e Lucas também implica que as Sagradas Escrituras que Ele leu estavam no hebraico original, e que elas foram escritas em parágrafos, ou Assyrian, caracteres. Ele frequentemente perguntou aos fariseus e aos saduceus: ‘Vocês não leram?’

PAPEL DA MÃE:
A primeira educação era necessariamente a responsabilidade da mãe.
a. Nutrir: A infância em Israel era um estado prolongado do nutrição. Bebês eram cuidados durante três anos.
b. Ensinar os ritos domésticos e canções dos festivais semanais, festas, e do festival anual. Edersheim (Messias, p.121) afirma que as crianças receberam um treinamento cuidadoso da memória antes dos três anos de Provérbios sábios. As regras mnemônicas foram concebidas para ajudar a criança a reter o que memorizou. Cada criança tinha uma promessa de guardião, inserida em suas orações diárias. Os hinos mais antigos ensinados seriam os Salmos para os dias da semana, ou Salmos festivos, como 113-118.

O PAPEL DO PAI:

Era o pai que era “obrigado a ensinar seu filho” (Kidd 29a).

“E disse o Senhor: Ocultarei eu a Abraão o que faço, Visto que Abraão certamente virá a ser uma grande e poderosa nação, e nele serão benditas todas as nações da terra? Porque eu o tenho conhecido, e sei que ele há de ordenar a seus filhos e à sua casa depois dele, para que guardem o caminho do Senhor, para agir com justiça e juízo; para que o Senhor faça vir sobre Abraão o que acerca dele tem falado.” Gênesis 18:17-19

Para o pai judeu, “para transmitir à criança o conhecimento da Torah conferida como uma grande distinção espiritual, como se o homem tivesse recebido a própria Lei no Monte Horeb” (Sanhedrin 99b). O Livro de Provérbios nos dá a mais profunda ideia da vida social e familiar da dispensação do Antigo

Testamento. Para o judeu, a vida de criança era considerada peculiarmente santa, e o dever de preenchê-la com pensamentos sagrados de Deus. Durante o tempo de Jesus Cristo, as crianças foram ensinadas como ler e escrever por seus pais antes de frequentar a escola com a idade de seis.

SINAGOGA ESCOLA-CASA: BET SEPHER, A “CASA DO LIVRO”

Ezra é creditado com o estabelecimento da forma de sinagoga de adoração e estudo durante o período exílico babilônico. Lá não era um templo para adorar, então a sinagoga se tornou o lugar onde os judeus adoravam. Escolas primárias estavam ligadas às sinagogas. Estes edifícios foram chamados de “Casa do Livro”, porque as crianças iam aprender a Palavra de Deus. Todas as crianças eram obrigadas a frequentar a escola aos seis anos de idade. Considerou-se contra a lei viver em um lugar onde não havia escola. Em cada lugar onde havia 125 famílias ou 25 rapazes, um professor era nomeado. De fato, na época de Cristo, havia centenas de escolas em Jerusalém e em todo Israel.

Edersheim (Esboços, p.125) descreve o ofício de chazzah, (ministro) ou oficial da sinagoga, “que deveria dar aos filhos o conhecimento precioso da Lei, com constante adaptação à sua capacidade, com paciência, seriedade intensa, rigor moderado pela bondade, mas acima de tudo, com o objetivo mais alto de sua formação colocada em vista. Para afastar as crianças de todo contato com o vício; Para treiná-los para a gentileza, mesmo quando o erro mais amargo tinha sido recebido; Para mostrar o pecado em sua repulsividade, em vez de aterrorizar por suas consequências; Treinar para estrita veracidade; Para evitar tudo o que pode levar a pensamentos desagradáveis ou indelicados; E fazer tudo isso sem mostrar parcialidade sem excessiva severidade, ou laxismo de disciplina, com judicioso aumento de estudo e trabalho, com cuidado atenção à minuciosidade na aquisição do conhecimento – tudo isso e mais constituiu o ideal colocado diante do professor e fez seu ofício ser de tão alta estima em Israel.” O grande objetivo do professor era o treinamento moral e intelectual. As crianças ficaram de pé ou sentadas no chão ao lado do professor. As escolas eram consistentes com a vida doméstica. A sagrada obrigação de preservar a inocência e a pureza Das crianças e manter fora o que era grosseiro ou vicioso

foram mantidos. É interessante notar que no hebraico a Palavra para ambos ‘trabalho’ e ‘adoração’ é ‘abodah. O estudo era visto como um ato de adoração, ou uma das formas para Glorificar a Deus.

CURRÍCULO ENCONTRADO NOS PERÍODOS DA VIDA (LISTA PARCIAL)

1. Cinco anos de idade na aposta sefer, “casa do livro”: Leitura da Bíblia no hebraico original. Wilson (p.299) afirma que a Bíblia foi o livro exclusivo por cinco anos! Os alunos começaram aprendendo o Shema (grande Oração judaica e declaração de fé recitada diariamente: Dt 6: 4-10; 11: 13-21; Nu 15: 37-41); O Livro de Levítico (o Livro de santidade); O Hallel; Então a História da Criação. Então passou para o Pentateuco; Os Profetas; e finalmente O Hagiographa. (Em grego: “escrito por inspiração”. É a última das três divisões judaicas e inclui Salmos, Provérbios, Jó, Cânticos, Rute, Lamentações, Eclesiastes, Ester, Daniel, Esdras, Neemias e Crônicas).

2. Dez anos de idade na bet talmud, “casa de aprendizagem”: Aprendendo o Mishnah (estudo da lei oral).
3. Treze anos de idade na aposta Midrash, “casa de estudos”: Ligado aos mandamentos (Bar Mizvah: “Filho do Mandamento”).

4. Quinze anos de idade: Estudo do Talmud.
5. Dezoito anos de idade: Casamento.
6. Vinte anos de idade: Busca de um comércio ou negócio.
7. Trinta anos de idade: vigor pleno (também a idade quando os homens entraram no sacerdócio).
8. Quarenta anos de idade: Maturidade da razão.
9. Cinquenta anos de idade: Para advogado.

CARACTERÍSTICAS DE UM HEBREU EDUCADO NA ÉPOCA DE CRISTO

1. Ler com fluência.
2. Fale bem com especial cuidado na escolha da língua e pronúncia.
3. A memória era um tesouro; As crianças memorizavam vastas porções das escrituras, palavras sábias, bênçãos.
4. Conhecer e ser capaz de repetir a história de Israel para toda a ocasião festiva e memorial.
5. Grande importância dada à preservação das tradições.

Fonte: Manual do Professor AMO, Elizabeth Youmans, 2015.
Um paradigma Bíblico de Aprendizagem – Uma vida de aprendizado: o coração da herança judaica. (págs. 30-35) 

Texto traduzido por Kátia Tavares professora de Inglês Educação Infantil e Fundamental 1 do Colégio Batista Getsêmani.